Quimioterapia

O que é?

A quimioterapia é a administração de fármacos capazes de destruir as células cancerígenas, impedindo que estas cresçam e se dividam. Este tratamento pode ser feito:

  • por via oral, através de comprimidos;
  • por via endovenosa, através de um cateter colocado numa veia do paciente.
Os fármacos administrados ao doente oncológico evitam que o cancro se espalhe por outras zonas do corpo, podendo afetar não só as células cancerígenas mas também células saudáveis - como por exemplo células sanguíneas ou células na boca ou no intestino, folículos capilares, entre outras). Os objetivos da quimioterapia são diferentes de acordo com o estágio do cancro:
  • quimioterapia adjuvante: administra-se após um tratamento com intuito curativo (como quimioterapia após cirurgia ou radioterapia). Tem como objetivo evitar a possível disseminação de micrometástases, destruindo quaisquer células tumorais ainda existentes, o que permite eliminar a probabilidade de doença residual.
  • quimioterapia neoadjuvante: administrada antes da cirurgia ou radioterapia. Tem como finalidade diminuir o tamanho do tumor, tornando assim possível a realização da cirurgia ou ainda permitir uma maior remoção de massa tumoral; é também possível, como este tipo de tratamento, reduzir a 'carga tumoral', ou seja, o número de células tumorais existentes
  • quimioterapia paliativa: administra-se quando o tumor já está numa fase avançada, com metastização em outros locais que não apenas o de origem. O seu objetivo é tratar e aliviar a os sintomas do cancro, não tendo como objetivo curar a doença.
Os efeitos secundários da quimioterapia podem surgir devido à interferência com células saudáveis do organismo. Entre eles, estão:
  • cansaço
  • náuseas (enjoos)
  • vómitos
  • diarreia
Tendo em conta o fármaco que se utiliza, algumas pessoas podem:
  • sentir formigueiros ou dormência nos braços e pernas
  • apresentar alopecia (queda de cabelo)
  • desenvolver úlceras na boca
  • perder o apetite
  • desenvolver uma aversão ao cheiro ou paladar da comida
  • ter anemia (diminuição dos glóbulos vermelhos do sangue)
  • ter infeções mais frequentes (por diminuição dos glóbulos brancos, que são as células sanguíneas que protegem o organismo das infeções)
Graças ao desenvolvimento científico, hoje existem fármacos que provocam menos efeitos secundários e, além disso, já existem medicamentos eficazes para aliviar esses efeitos. Fonte: Sociedade Portuguesa de Oncologia